Um texto fabuloso (já com alguns anos) de Miguel Esteves Cardoso, lido (talvez interpretado seja o melhor termo) por Miguel Guilherme. A recordar sempre!